Vendor Finance e Compror Finance: o que são, como funcionam e quais são as diferenças?

18 de janeiro de 2021 | Banco de palavras, Blog, Geral, Geral, Produto | Voltar

As empresas precisam de estratégias para manter o equilíbrio entre suas necessidades e o que fornecem a seus clientes. É por isso que existem soluções como o Vendor Finance e Compror Finance, por exemplo.

É comum que as empresas enfrentem alguns desafios na hora de fechar uma negociação. Vender a prazo sem prejudicar o seu caixa, realizar uma análise de risco de cada cliente para eliminar o risco de inadimplência, por exemplo, são algumas delas.

Se você chegou até este artigo, isso significa que tem curiosidade em saber mais sobre o que são e como as operações de Vendor Finance e Compror Finance funcionam no mercado financeiro. A equipe aqui da WEEL, fintech de crédito para empresas B2B, preparou este conteúdo exclusivo para te ajudar a entender mais sobre esses assuntos, continue lendo os tópicos a seguir e tire as suas dúvidas!

⚠️ Atenção: o Vendor Finance e o Compror Finance são operações de crédito que funcionam entre empresas vendedoras e empresas (clientes) compradoras, via documentos fiscais entre CNPJ’s. Ou seja, é uma solução de crédito para empresas que atendem outras empresas. 

O que é Vendor Finance?

O Vendor Finance nada mais é do que uma operação de financiamento de vendas direcionado às empresas – ou seja, é uma das modalidades de recursos financeiros B2B – que funciona a partir de uma cessão de crédito. Esse tipo de operação possibilita que as empresas vendam seus produtos aos seus clientes a prazo e recebam os pagamentos relativos a essas transações à vista.

Antes de seguirmos com as explicações, é importante que você entenda que as operações de Vendor Finance funcionam sempre que as empresas compradoras forem clientes tradicionais das empresas vendedoras. Afinal, a partir do momento em que há a cessão do direito creditório do documento fiscal da venda, são essas empresas vendedoras que terão que assumir os riscos perante à operação de crédito com a instituição financeira responsável.

As empresas que estão vendendo transferem o seu crédito à instituição financeira – por exemplo: bancos, fintechs, factorings, entre outras – e esta, por sua vez, cobra por seus encargos e taxas de intermediação para pagar essas vendedoras à vista e financiar o comprador a prazo.

Assim como outras operações de crédito para empresas, há uma incidência do IOF sobre o valor do financiamento realizado em cada operação, sempre calculado de forma proporcional ao período de realização do financiamento. 

Muitas empresas exigem uma série de documentações – histórico de faturamento, documentos relativos aos sócios e diretores, entre outros – e utilizam os documentos fiscais para que o Vendor Finance seja realizado – Notas Fiscais Eletrônicas de Produtos, Notas Fiscais Eletrônicas de Serviços, entre outros.

Essa operação sempre deve ser formalizada por meio da assinatura de um convênio com direito de regresso entre a instituição financeira e a empresa que está realizando a venda, assim como de um contrato de abertura de crédito entre todos os envolvidos no financiamento e, no caso das fintechs que utilizam plataformas digitais como a WEEL, por meio de um cadastro realizado online.

Ainda não entendeu como o Vendor Finance funciona?

A princípio pode ser complicado entender como esta operação de financiamento de vendas funciona, portanto criamos um infográfico simples para garantirmos que você entendeu o processo dessa operação. Confira:

Vantagens do Vendor Finance

No geral as empresas optam pelo Vendor Finance porque é uma forma segura de analisar seus clientes e conseguir vender a prazo sem o risco de inadimplências, além de obter um retorno imediato à vista.  Mas então, quais são as outras vantagens desta operação? Vamos a elas:

  1. As empresas não utilizam seu capital de giro: por se tratar de um financiamento de vendas que permite que as empresas recebam seus pagamentos à vista, a probabilidade de haver um descasamento de caixa e as empresas precisarem utilizar o seu capital de giro para pagar dívidas e inadimplências é reduzido. Além disso, também elimina a necessidade de recorrer a um empréstimo com um banco ou qualquer outra instituição financeira.
  2. A tributação sobre o financiamento: há uma menor tributação sobre o financiamento. Afinal, a empresa não estará realizando o financiamento por conta própria e sim por meio de uma instituição financeira.
  3. As empresas só fecham negócios com bons pagadores: vender a prazo pode representar um alto risco às empresas que não conseguem avaliar corretamente os riscos de inadimplência que correm com seus clientes. Afinal, as empresas nem sempre têm um histórico de vendas.
  4. As empresas recebem à vista as suas vendas a prazo: é uma forma de receber à vista o valor relativo à venda realizada e, ao mesmo tempo, dar prazos alongados aos clientes. Isso dá mais fluxo de caixa e capital de giro.
  5. Seus clientes são fidelizados pois pagam a prazo: os clientes darão preferência à sua empresa e voltarão a comprar com você. Afinal de contas, por meio desta operação eles conseguiram pagar a prazo e verão a oportunidade de fazer negociações mais flexíveis com a sua empresa.

Exemplo de operação de Vendor Finance

Um exemplo de operação de Vendor Finance é o WEEL Pay®, oferecido pela fintech de crédito para empresas WEEL, localizada em São Paulo e que atende empresas que estão precisando de soluções financeiras inteligentes por todo o Brasil. 

Por meio do WEEL Pay®, as empresas recebem à vista e ampliam os prazos de pagamento oferecidos aos seus clientes simultaneamente. Clique no banner a seguir e saiba mais detalhes desta operação que vem otimizando as vendas e o caixa de empresas dos mais diversos setores:


O que é Compror Finance? 

Já o Compror Finance é uma solução financeira que, basicamente, funciona como o inverso do Vendor Finance, apesar de terem a mesma finalidade. Ou seja, nesta operação, em vez da empresa vendedora será a fiadora do contrato de concessão de crédito, o próprio cliente fará este papel de fiador da operação de crédito financiado.

Isto quer dizer que, na prática, utilizando o Compror Finance, as empresas vendedoras continuam recebendo à vista e seus clientes continuam pagando a prazo. Entretanto, ao contrário do Vendor Finance, não serão as empresas vendedoras que deverão pagar à instituição financeira em caso de inadimplência e sim seus clientes compradores.

Essa modalidade de Compror Finance permite que os clientes compradores realizem este pagamento de forma parcelada à instituição financeira, inclusive sem a necessidade de envolver a empresa vendedora dos produtos ou insumos nas questões de cobrança. O débito do cliente comprador será ligado à instituição financeira – bancos, fintechs, factorings, entre outras – e o pagamento terá data pré-estabelecida, taxas de juros aplicados e IOF nos pagamentos realizados.

Ainda não entendeu como o Compror Finance funciona?

Agora que você já entendeu como funciona o Vendor Finance, fica mais fácil de entender como funciona o Compror Finance. Entretanto, caso você ache que ainda não entendeu muito bem, preparamos outro infográfico resumido para que você compreenda visualmente o processo desta operação. Confira:

 

Vantagens do Compror Finance

A principal vantagem do Compror Finance para as empresas compradoras é que apresentamos anteriormente: o débito, em caso de inadimplência, será de responsabilidade do cliente comprador e não da empresa vendedora.

Quais são as diferenças entre o Vendor Finance e o Compror Finance?

A principal diferença entre o Vendor Finance e o Compror Finance é a que apresentamos anteriormente: o responsável pelo pagamento do financiamento. No geral, as operações de Vendor Finance e de Compror Finance são recomendadas para empresas vendedoras que precisam receber à vista e clientes compradores que precisam pagar a prazo, sem burocracias. 

Porém há fatores que devem ser considerados na hora de optar entre um tipo de operação ou outra, sempre de acordo com os objetivos das empresas vendedoras e dos clientes compradores, já que serão os financiados. 

O Compror Finance permite que as empresas não restrinjam seus recebimentos exclusivamente à vista e recebam de forma parcelada, seguindo o prazo estabelecido no financiamento. Além disso, também garante que, em caso de inadimplência, as empresas vendedoras não arquem com os débitos que deveriam ter sido quitados pelos clientes compradores do financiamento.

O Vendor Finance, por sua vez, garante uma maior inteligência comercial para as empresas e uma maior probabilidade de fidelizar seus clientes devido à flexibilidade de conceder pagamentos a prazo e à desburocratização de não envolvê-los no risco da operação. É um serviço de crédito que só será oferecido se o cliente comprador for aprovado na análise de risco e, portanto, também promove uma grande segurança às empresas vendedoras para realizar este financiamento sendo as responsáveis pelo pagamento do valor.

A recomendação é simples: entenda as particularidades das duas operações e proponha a que achar mais benéfica à sua empresa vendedora ou ao seu cliente comprador.

Conheça a WEEL, fintech de crédito para empresas B2B

A WEEL é uma fintech de crédito para empresas que, desde 2015, ano de sua fundação, vem desburocratizando o acesso das empresas às soluções de crédito do mercado. Por meio de uma plataforma 100% digital, a WEEL oferece Antecipação de Recebíveis – que permite às empresas receberem à vista os valores relativos às suas vendas a prazo 0, WEEL Supply® – que permite às empresas financiarem a sua cadeia de fornecedores à vista e pagarem a prazo –, Giro WEEL® – que permite às empresas habilitarem uma linha de empréstimo de até R$ 5 milhões para utilizarem como capital de giro –  e o WEEL Pay® – a solução de Vendor Finance que apresentamos anteriormente, ideal para as empresas que precisam permitir que seus clientes paguem a prazo e ao mesmo tempo desejam receber esses valores à vista

Cada operação de crédito tem requisitos mínimos específicos – faturamentos anuais específicos, emissão de Notas Fiscais Eletrônicas de Produtos, emissão de Notas Fiscais Eletrônicas de Serviços em São Paulo, Conhecimentos de Transporte Eletrônicos, entre outros fatores -, portanto se você teve interesse em qualquer uma dessas operações, é importante que saiba quais são os critérios para que a sua empresa, seus clientes e seus fornecedores sejam aprovados na análise de crédito da WEEL.

Conheça o WEEL Pay®

Para empresas que precisam reduzir seu prazo de recebimento e ampliar vendas o Vendor Finance é a operação certa. Nesta operação de financiamento, sua empresa vende um produto a prazo, mas recebe o pagamento à vista.

Neste modelo a WEEL adquire os recebíveis de com análise de crédito baseada no sacado/recebível, no caso de inadimplência a WEEL não recorrerá ao cedente, somente em casos específicos como nota não performada, notas fiscais falsas/frias.

Nossa missão é ampliar o poder de negociação das empresas e melhorar seu relacionamento comercial com seus clientes, por isso o Vendor Finance da WEEL é digital, simples e desburocratizado. Conheça nossa plataforma, cadastre-se e apresente aos seus clientes!

Os requisitos mínimos do WEEL Pay® da WEEL são:

  • Empresas com faturamento anual acima de R$ 5 milhões;
  • Mais de 2 anos de atuação no mercado (ou seja, de CNPJ em atividade);
  • Histórico mínimo de 12 meses de faturamento;
  • NF-e (de produtos) devem ter prazo de vencimento entre 5 e 90 dias (emitidas em todo o Brasil).

O passo a passo para que a sua empresa realize uma operação de Vendor Finance pela WEEL é:

  1. Crie sua conta: registre-se em nossa plataforma, finalize seu cadastro e inclua seus clientes;
  2. Saiba as taxas em minutos: selecione os clientes que deseja financiar e a linha que cada um poderá operar;
  3. Sua empresa recebe à vista: na data de vencimento das notas fiscais, seus clientes pagam o valor diretamente para a WEEL, sem burocracias.

Veja, visualmente, como esse fluxo ocorre entre a WEEL, as empresas vendedoras e seus clientes compradores:

Nosso artigo sobre as diferenças entre Vendor Finance e Compror Finance foi suficientemente esclarecedor para você? Se acha que esse conteúdo pode ajudar outras empresas como a sua, compartilhe-o utilizando as redes sociais clicando em um dos links que está à esquerda do canto superior desta página. Além disso, se tiver mais algo a acrescentar a este artigo da WEEL, comente aqui embaixo, queremos ouvir você!

Em caso de dúvidas sobre o tema que não foram tiradas aqui, converse com a nossa equipe de especialistas financeiros e saiba mais informações sobre o Vendor Finance e o Compror Finance enviando um e-mail para suporte@weel.com, ligando para +55 11 3198-5196, pelo chat aqui nesta página ou pelo WhatsApp clicando no número abaixo:


Autor

Escrito por Rogério Barros

Content & SEO Manager da WEEL. Integrante do time de Marketing da nossa fintech, é um entusiasta do universo de gestão financeira B2B. Para parcerias entre blogs, envie um e-mail para rogerio.barros@weel.com

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comente
Feedbacks
Ver todos os comentários

Artigos relacionados

Nova funcionalidade: importação automática de NF-e na plataforma de crédito para empresas da WEEL

08 / 12 / 2020 | Blog, Geral, Geral, Produto Separador

Índice do Conteúdo1 O que é a plataforma de crédito para empresas da WEEL?2 O que a sua empresa precisa para se cadastrar na plataforma da WEEL?3 Quais (...)

Leia Mais

Nova funcionalidade: importação automática de NFS-e na plataforma de crédito para empresas da WEEL

07 / 12 / 2020 | Blog, Geral, Geral, Parcerias, Produto Separador

Índice do Conteúdo1 O que é a plataforma de crédito para empresas da WEEL?2 O que a sua empresa precisa para se cadastrar na plataforma da WEEL?3 Quais (...)

Leia Mais
Pessoa pesquisando sobre o risco do golpe do empréstimo para pessoa física para saber como denunciá-lo.

Golpe do empréstimo para pessoa física ou jurídica: saiba o que é, como se prevenir e como denunciá-lo

27 / 10 / 2020 | Geral Separador

Se você está em busca de um empréstimo para pessoa física, é importante ficar alerta e saber se prevenir para não cair em golpes de crédito. Algumas empresas (...)

Leia Mais