Seu negócio tem duas opções: a transformação digital ou o fim

Resistir à adoção da tecnologia tornou-se fatal para
as empresas. Essa constatação foi apontada pela pesquisa
Perspectivas Executivas sobre os Maiores Riscos para 2019, realizada pela consultoria
Protiviti em parceria com a Universidade Estadual da Carolina do Norte.

A pesquisa ouviu 825 líderes
empresariais de diferentes países, os quais apontaram os temas considerados
como de alto risco para a sobrevivência de seu negócio. O fator “disrupção
digital” foi o mais citado, saltando da décima posição ocupada em 2018 para o
primeiro lugar em 2019. Ou seja, esse tema é hoje a maior preocupação entre os
gestores de todo o mundo.

Algumas exigências de um novo mundo
digital são mais fáceis de serem aceitas do que outras. Ele já chegou a
praticamente todos os segmentos: você certamente já ouviu falar sobre insurtech,
construtech, edutech etc. Na
área financeira, as Fintechs,
sucesso absoluto no Brasil, já somam quase 500 empresas. Não chegaram apenas
para “digitalizar” serviços financeiros – elas estão quebrando paradigmas
nocivos e determinando uma nova maneira de gerenciar financeiramente negócios
como o seu.

A verdade é que, tudo indica, o
brasileiro estava preparado para essa mudança no mundo financeiro (e
aparentemente até mesmo a aguardando), muito embora ainda haja muito a ser
compreendido e reformulado. Hoje, mais de 50% dos usuários de bancos usam
ativamente serviços bancários online, e 58% de todas as transações bancárias
são virtuais. Além disso, mais de sete milhões de clientes já abriram contas nos
novos bancos digitais.

O brasileiro como empreendedor

O Brasil, segundo outra pesquisa
recentemente realizada, dessa vez pela McKinsey, é um país empreendedor, em que 39% de sua
população ativa trabalha em seu próprio negócio. São verdadeiros heróis, visto
que o Brasil está na 109º no ranking do Banco Mundial no que diz respeito à
abertura de novos negócios.

Com os entraves burocráticos, registros,
confusão tributária e outros aspectos enfrentados pelos empresários, sabe-se
que dois terços das empresas iniciantes encerram suas atividades em até cinco
anos após a fundação. Esse fator inibidor tem repercussões profundas na vida do
empresário o qual, diferentemente de países altamente inovadores como Israel e
Estados Unidos, passa a ser visto como derrotados e sem o “direito” de virar a
página.

Muitas fintechs surgiram nos últimos
três anos exatamente para aliviar as dificuldades do gestor das PMEs
brasileiras, usando para isso a Inteligência
Artificial
. A WEEL, por exemplo, foi criada em 2016 para atender
especificamente pequenos e médios negócios, provendo capital de giro por meio
da antecipação de recebíveis de forma totalmente digital, sem burocracia, e com
taxas individualizadas e competitivas.

No entanto, ainda falta ao gestor
brasileiro iniciativa para experimentar novas soluções.

País pouco preparado para inovar

Os empresários no Brasil têm um desafio
complexo pela frente, uma vez que há outros sinais importantes de seu (até o
momento) pouco relacionamento com o universo da inovação de forma geral. Um
deles nada tem a ver com eles em si, mas com o cenário apresentado pelo país, a
exemplo da dificuldade de registro de novas patentes, pelo qual espera-se por
volta de 14 anos. Como medida de comparação, imagine que, no Japão, o processo
é feito em um ano. Naturalmente o resultado é visto em números: em 2016, o
Japão aprovou 456 patentes, enquanto o Brasil, apenas 14.  

Outro indicador importante da “vocação”
do país para a tecnologia está no número de empresas hightech encontradas entre
as mais valiosas de cada país. Ao se comparar resultados dos anos de 2010 a 2018,
considerando o Brasil e a China, o nosso país não possui nenhuma empresa de
tecnologia em sua lista de dez primeiras colocadas. Já a China teve duas
empresas de tecnologia entre as dez mais valiosas; nos Estados Unidos,
cinco empresas de tecnologia ocupam hoje os cinco primeiros lugares.

Assim, é necessária uma mudança de
cultura no Brasil, a começar pelo próprio empresário. Não se esqueça: negar o
atual cenário da transformação digital pode minar unidades de negócio ou até
mesmo empresas inteiras.

Assim, é hora de começar a conhecer esse novo universo. Nós estamos aqui para apoiá-lo na transformação digital de sua empresa, antecipando seu recebíveis de forma totalmente segura, transparente – e 100% online. Saiba mais visitando nosso site: www.weel.com.br