Se a vida é complicada, por que o fluxo de caixa de nossa empresa seria diferente?

As finanças empresariais são mais do que apenas fórmulas. Claro, você pode ler e memorizar todas elas. Mas calcular o retorno sobre o patrimônio da empresa ou a rapidez com que você pode girar o estoque não aliviam o fato de que, em alguns meses, o medo da falta de recursos no momento de cumprir com a folha de pagamento, por exemplo, possa ser paralisante. É entendendo a diferença de como são as coisas, e como deveriam ser, que é possível encontrar uma solução para ser realmente vitorioso nos negócios.

O perfeito é o inimigo do bom – As finanças empresariais tradicionais analisam o fluxo de caixa através de uma lente de perfeição. Ao comparar receitas e custos, as análises presumem que tudo ocorrerá como planejado. É claro que administrar um negócio real é um exercício de combate a “incêndios” na produção, de cobrança de clientes atrasados e de gerenciamento do inesperado, especialmente em tempos de crises políticas ou econômicas (como o Brasil vem experimentando nos últimos anos). Mas as finanças, assim como softwares e ferramentas com base na ciência, não contam com esse tipo de margem de manobra.

Analisemos o fluxo de caixa, por exemplo. Finanças empresariais tradicionais olham para tudo como deveria ser. Para calcular o fluxo de caixa líquido, consideramos o dinheiro que, espera-se, entre em seu prazo pré-estabelecido. Se um cliente deve pagar após 30 dias, presumimos que ele pagará exatamente no 30o dia.

Quase todas as análises financeiras, sistemas de contabilidade e ERPs, além de contadores, usam esse pressuposto aparentemente simples de perfeição: tudo sempre se comporta da forma planejada. Nós chamamos isso de Should Cash Flow, uma visão das entradas e saídas do caixa considerando que tudo dará certo (o que raramente acontece). Na economia clássica, as finanças empresariais fazem suposições, as quais sabemos desde o início que não irão se realizar.

Claro que nem tudo sai como esperamos. Os clientes sofrem seus próprios contratempos e pagam com atraso. Às vezes até mesmo deixam de pagar. Como o Should Cash Flow é um retrato instantâneo em um momento definido, ele não fornece uma visão em tempo real do que realmente está acontecendo com a saúde do seu negócio. O dinheiro é quem dita as regras e, infelizmente, se você ficar apenas olhando para o Should Cash Flow, seus saldos de caixa reais serão bem diferentes do que você estimou.

Vida real, problemas reais, fluxos de caixa diferentes – Os modelos de crédito que nossos cientistas de dados construíram na WEEL não levam em consideração apenas o fluxo de caixa previsto. Entendemos que as coisas mudam todos os dias e, por isso, desenvolvemos modelos de fluxo de caixa que analisam o que realmente está acontecendo sob o “capô” da empresa.

Observamos o fluxo das contas a receber em tempo real, reconhecendo o fato de que clientes ocasionalmente (ou com frequência, dependendo do seu negócio e do setor) pagam com atraso, especialmente nos cenários flutuantes dos períodos mais conturbados da economia. Nós olhamos como as coisas são e não só como elas deveriam ser.

Você frequentemente percebe que as previsões de fluxo de caixa elaborados por sua contabilidade ou software ERP não refletem o que acontece em sua conta bancária? A razão pela qual tantas empresas são surpreendidas por seus saldos de caixa a cada mês é essa diferença entre o que deveria ser e o que é. Ou seja, entre a suposição de que os clientes pagarão o que devem nas datas de vencimento e o fato de nem sempre se comportem dessa maneira.

Nosso relatório Is Cash Flow (o fluxo de caixa real) analisa o saldo de caixa pendente em andamento na empresa com base no que realmente está acontecendo com os pagamentos dos clientes. Se um deles estiver atrasado um mês e seu ciclo de pagamento for adiado por mais 30 dias, isso aparecerá refletido ali. O relatório Is Cash Flow fornece uma visão muito mais realista das finanças de um negócio, de modo a não haver surpresas na conta bancária.

O ideal versus a realidade nas finanças pessoais – A verdade é que, para ter sucesso nos negócios, precisamos analisar tanto nossos fluxos de caixa previstos quanto os reais. Olhar somente para um deles nos dá uma visão limitada das nossas finanças. Ao compararmos o relatório Should Cash Flow ao relatório Is Cash Flow, podemos começar a tomar decisões que realmente melhoram nossas finanças.

Veja esse relatório de cliente, por exemplo.

 

A análise tradicional de fluxo de caixa (Should) mostra que esta empresa está com um déficit de caixa pequeno, ainda que apertado. Com o tempo, parece que a empresa segue trajetória rumo a um fluxo de caixa positivo. Mas, olhando para as coisas como realmente acontecen (Is), você pode perceber que, em maio de 2018, a empresa ficou significativamente negativa em seu fluxo de caixa, uma vez que provavelmente sofreu muitas faltas de pagamento por parte de clientes.

Ao analisar o fluxo de caixa para clientes que preveem contas a receber conosco, frequentemente encontramos períodos do ano em que esses dois relatórios divergem. Em teoria, embora possa estar próximo à realidade, uma empresa considera que suas entradas de caixa serão maiores do que suas saídas. Mas então algo acontece, mesmo que seja um único pagamento em atraso. Suas previsões idealizadas não refletem esse fato, ainda demonstrando que a empresa deva ter um fluxo de caixa positivo. Mas, na vida real, esse cliente único tem o poder de perturbar o delicado equilíbrio no fluxo de caixa da empresa. É claro que, quando você olha para o que realmente está acontecendo, entende que a companhia deverá ter um déficit de caixa significativo no futuro próximo.

Por essa razão, o exercício de comparação dessas duas análises de fluxo de caixa se faz fundamental. Afinal, a vida é complicada, os negócios são complicados e a realidade nem sempre corresponde ao nosso trabalho árduo e ao nosso esforço de planejamento.

Por Zack Miller, Diretor Executivo de Crescimento (Chief Growth Officer) da WEEL

Os cientistas de dados da WEEL construíram nossos modelos de concessão de crédito usando análises financeiras de ponta e inteligência artificial. Para saber mais sobre a empresa, clique aqui.