Para criar a reserva de emergência – seja para uma empresa ou para uma pessoa física –, é necessário que haja muita disciplina financeira e uma gestão estratégica dos recursos que são obtidos. Esse fundo emergencial pode, muitas vezes, ser um sinônimo de sobrevivência dessas empresas ou pessoas, especialmente ao se depararem com uma dívida alta ou com o surgimento de uma crise.

Com a crise econômica global causada pelo coronavírus, por exemplo, ficou nítido o quão importante é fazer uma reserva de emergência. É importante que, caso você não saiba de que forma deve-se realizar esse planejamento levando em consideração a possibilidade da sua empresa ou o seu contexto de faturamento, procure uma assessoria para guiar você nesse processo.

Por isso a WEEL decidiu produzir este artigo para explicar tudo sobre as reservas de emergência e te ajudar a entender o que é, como fazê-la, onde investi-la e por que ela é indispensável às pessoas jurídicas ou pessoas físicas. Saiba tudo nos tópicos a seguir!

O que é uma reserva de emergência?

As reservas de emergências ou fundos de emergências consistem no processo de poupar um montante de dinheiro com o objetivo de se precaver para, caso necessário, utilizá-lo para amparar e atender as necessidades de uma empresa ou da vida de um indivíduo. Ou seja, é uma quantia reservada para que você possa, de forma tranquila e sem dificuldades, quitar suas dívidas em casos de emergência ou até mesmo fazer investimentos específicos para impulsionar o seu crescimento.

Para que você entenda para que serve e em quais contextos essas reservas e fundos de segurança podem ser aplicáveis, vamos dar alguns exemplos.

Se você é uma pessoa jurídica, ou seja, tem uma empresa ativa, alguns possibilidades são: perder um volume grande de clientes simultaneamente; não conseguir quitar sua folha de pagamentos; crises econômicas atingindo com mais força o seu setor; entre outras possibilidades.

Agora, se você é uma pessoa física, um trabalhador comum, alguns exemplos são: casos de demissão sem seguro-desemprego; problemas imprevisíveis de saúde; problemas estruturais na sua residência; viagens de urgência; entre outros exemplos.

Seguindo os preceitos da educação financeira, uma reserva ou fundo de emergência é algo básico e que deve fazer parte da mentalidade de qualquer empresa ou trabalhador, seja quais forem as circunstâncias.

Mas como fazer uma reserva de emergência?

O processo de criação de uma reserva de emergência varia de acordo com a realidade de cada caixa empresarial ou do faturamento de cada trabalhador. Entretanto, há algumas práticas mais seguras e recomendadas para quem deseja construir esse fundo emergencial.

Para fazer um bom investimento e evitar possíveis problemas, é importante obter liquidez para conseguir recorrer ao fundo emergencial de forma rápida e desburocratizada. Ou seja, que o dinheiro dessa reserva de emergência consiga ser acessada de forma ágil e prática, com prazos de D+0 ou, no máximo, D+1, em dias úteis.

Além disso, espera-se que a sua empresa ou você, com planejamento, só precise recorrer a essa reserva em momentos de urgência, que irão demorar anos até chegar. Por isso é interessante que você selecione uma opção com projeções de rendimento altas. Assim, conseguirá ver o dinheiro aplicado à instituição render e o seu investimento para criar uma reserva de emergência será ainda maior e mais valorizado.

Qual é o investimento ideal para a sua reserva de emergência?

São algumas das suas opções de investimento para criar uma reserva de emergência:

  • Tesouro Selic: é um investimento de renda fixa que funciona como uma espécie de empréstimo dado ao governo nacional e que retornará ao caixa da sua empresa ou ao seu bolso já rentabilizado pela taxa de juros aplicada. Por exigir um investimento inicial baixo, talvez seja o investimento mais simples.
  • CDB de renda fixa: é um investimento que funciona como uma espécie de empréstimo dado a uma instituição bancária. Além de ter uma rentabilidade definida no momento inicial do fundo e ser mais vantajoso que as poupanças comuns, também têm uma liquidez diária.
  • Letra de Crédito Imobiliário e Letra de Crédito do Agronegócio: a LCI e a LCA também são investimentos de renda fixa – similares ao CDB –, isentos do imposto de renda, que também apresentam vantagens em relação à poupança. Também é uma espécie de empréstimo a uma instituição financeira, mas que também podem ser utilizadas por sociedades de crédito diferentes.
  • Poupança tradicional: a poupança é a forma de investir mais popular do país, regulada pelo Banco Central – instituição que define o valor que o indivíduo receberá, ou seja, tem baixa liquidez –, é uma conta reservada especialmente para pessoas físicas mas que também podem ser utilizadas por pessoas jurídicas e têm uma rentabilidade de 0,5% a cada mês.

Além dessas há diversas outras alternativas para investir e criar a sua reserva de emergência. Para saber detalhes sobre cada tipo de investimento, faça uma pesquisa e opte mais vantajosa de acordo com as suas necessidades e objetivos.

Mas vamos às recomendações para que você se organize e consiga fazer uma reserva de emergência, de forma segura e prática, seja para a sua empresa ou para o seu uso pessoal!

4 passos para criar reservas emergenciais para empresas (PJ)

Caso você seja um empresário ou o representante financeiro de uma empresa, confira algumas recomendações:

Passo 1: Entenda o custo do seu fluxo de caixa

Antes de começar a poupar para criar uma reserva emergencial, é preciso que você e a sua equipe desenvolvam um método eficiente para acompanhar as atividades do fluxo de caixa da sua empresa com frequência e entendam quais são as suas possibilidades – ou seja, observem quais serão os valores da sua receita líquida e dos gasto em um dia, semana, semestre ou ano.

Todas as informações obtidas nesse acompanhamento sejam registradas e, para isso, ferramentas como sistemas de controle financeiro ou planilhas de fluxo de caixa podem ser úteis.

Passo 2: Avalie as prioridades da sua empresa

Após obter essa expertise financeira e compreender quais são as possibilidades da sua empresa, agende uma reunião com a sua equipe e alinhe, de forma precisa, todos os gastos que podem ser cortados para começar a fazer um levantamento do valor que será poupado a cada período ou negócio fechado.

Passo 3: Reserve um valor mensal fixo

Após eliminar despesas desnecessárias e ver o impulsionamento do seu caixa, está na hora de definir quando será poupado e em qual periodicidade.

A partir da avaliação feita com a sua equipe, defina um percentual fixo do seu faturamento para ser poupado por mês e invista-o na opção mais vantajosa para a sua empresa. Se sentir necessidade, aumente esse valor de modo gradativo.

Passo 4: Selecione o melhor investimento

Como explicamos anteriormente, os dois principais fatores para construir uma reserva empresarial são a rentabilidade do valor e a liquidez oferecida pelas instituições.

Por isso fique atento a fatores como a taxa de CDI (Certificado de Depósito Interbancário), inflação e os prazos e condições para o resgate do dinheiro investido. Se necessário, consulte um profissional da área financeira e ouça as suas recomendações e as particularidades de cada alternativa.

4 passos para criar reservas emergenciais para pessoas físicas (PF)

Caso você seja uma pessoa comum e precise fazer uma reserva de emergência para garantir a sua segurança pessoal ou a segurança da sua família, veja algumas das nossas dicas:

Passo 1: Avalie a sua renda fixa individual e familiar

Em relação ao processo de criação de reservas de emergência para pessoas comuns é necessário redobrar a atenção e considerar alguns fatores específicos. Afinal, nesse contexto não há especialistas financeiros e você terá que ter um controle e realiza uma autogestão.

Armazene todos os detalhes a respeito dos seus investimentos mensais fixos e, para os gastos poucos precisos, faça uma média. Para registrar todas essas informações, você pode utilizar ferramentas como Excel ou até uma caderneta física de checklists de gastos.

Passo 2: Compreenda as suas necessidades básicas

Após esse processo de análise da renda fixa ou familiar mensal é que se inicia o momento de elencar as suas necessidades básicas ou levar em consideração o contexto da sua família.

Ao compreender bem quais são os custos essenciais e quais são os desnecessários – ou seja, que podem ser cortados até o momento de conclusão da reserva–, a sua renda individual ou familiar será otimizada e o foco dos investimentos irão para o que realmente importa.

Passo 3: Organize suas finanças e conheça o seu lucro livre

Com algumas despesas cortadas e algum dinheiro sobrando por conta da priorização mais inteligente, já é possível começar a poupar. Defina um valor fixo mensal a ser poupado ou um percentual da renda familiar para começar a guardar. Ainda que este valor seja pequeno, é importante realizar este passo para que a rotina do investimento

Passo 4: Escolha o valor que será poupado por mês

Após todas essas análises você poderá escolher qual é o investimento ideal de acordo com os seus objetivos e preferências, assim como estabelecer o valor exato do montante que, de uma forma confortável, poderá reservar e direcionar à sua reserva de emergência.

Qual é o valor mais seguro para uma reserva de emergência?

O valor mínimo a ser poupado vai variar de acordo com as necessidades da sua empresa ou do seu contexto individual ou familiar, dependendo de qual seja o seu caso.

De uma forma geral, recomenda-se que seja reservado um valor suficiente para manter suas atividades empresariais ou individuais da sua empresa durante um período de 6 meses a 12 meses.

Logo, após identificar qual é faturamento da sua empresa ou do seu contexto pessoal ou familiar, multiplique-o por 6x ou por 12x e você encontrará o valor necessário para não sofrer impactos danosos à sobrevivência do seu negócio ou à dinâmica da sua vida ou da vida dos seus familiares. Este será o valor estabelecido como meta para a sua reserva de emergencial.

Serviços financeiros podem ajudar as reservas e fundos de emergência

A WEEL é uma fintech de crédito exclusivamente para empresas que, por meio de uma plataforma 100% digital, oferece soluções financeiras desburocratizadas para que negócios dos mais diversos portes utilizem a antecipação de recebíveis para otimizar suas contas a receber a prazo e o WEEL Supply® para financiar fornecedores e otimizar suas contas a pagar.

Instituições financeiras que podem ajudar na criação da reserva emergencial da sua empresa

Se precisar de ajuda neste processo e quiser saber como fintechs podem ajudar, nossos especialistas financeiros estão à sua disposição. Fale conosco por meio do chat que à direita aqui nesta página, ligue para +55 (11) 3198-5196, envie um e-mail para suporte@weel.com ou pelas redes sociais – siga a WEEL no Facebook, LinkedIn e Instagram.