O que fazer quando não há caixa para a folha de pagamento?

Talvez a economia local esteja passando por um mau momento. Talvez seu maior cliente tenha encerrado o contrato. Ou talvez você não tenha realizado corretamente sua análise de fluxo de caixa previsto. Seja qual for o motivo que tenha levado o negócio a carecer de recursos para o cumprimento da folha de pagamento, ele não deve impactar o funcionário. Além de qualquer outra razão, como o estresse gerado pelo adiamento do salário – certamente uma das falhas mais graves do mundo empresarial –, sua ocorrência implicará em multas e até mesmo processos judiciais movidos pelos trabalhadores.

Saiba que essas situações ocorrem em muitas pequenas e médias empresas e você pode – talvez até neste exato momento – chegar no quinto dia útil do próximo mês sem caixa para honrar os salários de seus colaboradores.

Criamos um guia rápido para ajudá-lo a lidar com esse momento, oferecendo insights para que você não mais tenha que enfrentá-lo. Acompanhe.

 

1.      Comunique aos funcionários que você está com dificuldades de honrar os salários neste mês

Quanto antes, melhor. Você certamente perceberá esse momento se aproximando. Deixe o constrangimento de lado e imediatamente divulgue quais ações tomará para solucionar a situação. E conscientize-se de que esse fato poderá tirar de você colaboradores preciosos. Esteja preparado para isso.

Você provavalmente contará com uma das vantagens das PMEs: nelas, é comum a sensação de pertencer a uma grande família. As pessoas se conhecem, muitas vezes bem. Nesse caso, os funcionários estarão mais inclinados a concordar em enfrentar esse momento juntos com você com o menor estresse possível.

2.      Levante o valor necessário

Você precisará buscar recursos, por isso o primeiro passo é considerar todas as possibilidades. Para isso, deve saber qual o valor exato será necessário levantar, nada mais, nada menos.

– Recursos próprios: Essa deve ser a primeira alternativa pois, além de menos custosa, não implicará em dívidas. Considere empregar poupanças ou reservas pessoais, ou até mesmo vender um bem que possa ser liquidado rapidamente (como carros, por exemplo). Suspender o pagamento de seu próprio salário é uma boa medida, que transmitirá confiança para seus empregados.

– Clientes: Você pode apressar o fechamento de contratos pendentes negociando condições mais favoráveis em troca de pagamento à vista. Você pode oferecer mais bônus à equipe de vendas por um esforço adicional. Você também pode entrar em contato com clientes para renegociar prazos de pagamento em troca de outros benefícios ou promover liquidações e queimas de estoque. Em termos de operações financeiras, você pode antecipar recebíveis, ou seja, adiantar a entrada em caixa de montantes referentes a boletos com vencimento futuro.

Fornecedores: Dependendo de seu nível de empatia e tempo de parceria, pode negociar com eles datas posteriores de pagamentos, parcelamentos etc. Se for possível, suspenda aquisições que podem ser adiadas, gerando menos saídas em seu caixa. O importante é entrar em contato com eles, expor a situação e pedir ajuda.

Crédito: Pesquise linhas de crédito ou empréstimos que possam ajudar a encorpar seu caixa rapidamente. Para que isso provoque o menor impacto possível em seu negócio, pesquise, informe-se. Se tiver condições, dependendo do tamanho da dívida salarial, o apoio especializado de um consultor o ajudará a economizar o máximo possível.

Amigos e familiares: Caso não seja um montante importante, amigos e familiares podem estar prontos a ajudá-lo a superar esse mau momento. É fundamental que você programe-se, e combine adequadamente, a data de devolução do empréstimo.

Outra ação possível – e para isso você precisa acompanhar os números da empresa e detectar rapidamente o problema futuro – é reduzir o horário de trabalho dos funcionários imediatamente, desonerando um pouco a folha de pagamento. Há casos em que os empresários negociaram também horas de trabalho voluntário. Uma vez que essa é uma medida pouco ortodoxa, dependerá do nível de entrosamento entre você e os funcionários.

https://youtu.be/YHPTA4qpzJU

3. Pague os salários

Seja qual for a saída encontrada, pague seus colaboradores de acordo com o combinado.

4.      Prepare-se para o futuro

Existem muitas formas de se organizar para não voltar a viver esse pesadelo, como por exemplo:

– Identificar precocemente os problemas de fluxo de caixa. Caso não consiga fazê-lo sozinho, contrate um consultor.

– Reestruturar partes do negócio, já que o dia de pagamento não deve ser um permanente momento de estresse.

– Cortar todas as despesas possíveis e manter as finanças enxutas e sob controle.

– Checar suas entradas. Se você não estiver vendendo o suficiente, precisará fazer uma nova avaliação de mercado e rever estratégias empresariais.

– Construir uma poupança para emergências futuras: comprometa-se a reservar um valor fixo do faturamento todos os meses para cobrir situações imprevistas como estas.