Derrube os mitos sobre a pontuação de crédito

Se você trabalha com gestão financeira, já sabe disso: seu acesso a crédito (em todas as suas modalidades) será mais fácil na medida em que sua pontuação de crédito for mais alta. Isso é líquido e certo.

Existem, no entanto, diversas informações sem fundamento que circulam dentro e fora do mundo empresarial a respeito de como, quanto e de que forma um baixo score – afetado diretamente por aspectos como a inadimplência – prejudica seu portador. Livremo-nos delas também, com a leitura do texto a seguir.

Pontuação de crédito baixa leva tempo para se formar, e é para sempre

Não é não. Ela só se perpetua se você continuar a prejudicar sua própria pontuação, seja com pagamentos atrasados, acúmulo de dívidas, utilizando descontroladamente seu cheque especial etc. No momento em que você gerenciar bem seus recursos, sua pontuação subirá.

Também está equivocado acreditar que são necessários vários meses de falhas para que sua pontuação sofra reduções. Após um descuido, bastam alguns dias para você começar a receber telefonemas de cobradores. E esse já é um sinal de que seu acesso ao crédito está em risco.

Só quem é rico precisa atentar à pontuação de crédito

Não, não e não. Todos são avaliados em relação ao seu comportamento financeiro. Tenha você uma conta polpuda ou modesta, sua pontuação cairá caso você cometa deslizes em seu gerenciamento financeiro.

 

São os seus hábitos financeiros que determinam sua pontuação, não a sua renda ou posses. Importante você saber que fechar a conta bancária devedora de crédito não afetará positivamente sua pontuação. Ao contrário: se você, por exemplo, fechar uma conta na qual possui um cartão de crédito com dívidas em aberto, isso será visto com maus olhos. Deixar contas saudáveis abertas, no entanto, pode melhorar seu perfil, especialmente aquelas que tiverem um bom histórico.

Ao quitar dívidas, minha pontuação imediatamente aumentará

Não aposte nisso, pois a análise da pontuação leva em consideração um determinado período de tempo. Ou seja, demora um tanto até que seu perfil esteja atualizado. A maioria das informações negativas a seu respeito permanecem em seu relatório de crédito por anos, sendo que seu impacto é gradativamente reduzido na medida em que a informação “envelhece”.

Tenha em mente que esse não é o único aspecto considerado por credores quando estes avaliam sua solvabilidade: o valor em dívida e sua renda também desempenham papel relevante. Afinal de contas, é importante saber que você terá condições de honrar o compromisso que está assumindo.

E no caso daqueles que não possuem dívidas – receberiam eles um excelente score de crédito? Bem, dependerá muito do que você fez para não tê-las. Se você está livre de dívidas por ter em algum momento decretado falência, obviamente esse evento será considerado em seu score, com um viés negativo.

Os motivos que mais levam às dívidas são…

Logo após colocar no ar a plataforma Serasa Score – a partir da qual os brasileiros podem sozinhos checar sua pontuação de crédito –, muitos inadimplentes entraram em contato com a instituição tentando melhorar o seu perfil. Por essa razão, a entidade pôde produzir um relatório no qual aponta quais os principais fatores que os conduziram às dívidas.

A maioria tornou-se devedora após “emprestar” seu nome a amigos ou parentes que estavam em busca de crédito. Só tomaram conhecimento de que seu nome estava negativado quando precisaram de crédito.

Outros alegaram dificuldades causadas por divórcio, desemprego, acidente ou doença. Também destacaram-se aqueles que esqueceram a dívida ao mudar de residência e não atualizar seus dados juntos às empresas credoras. Muitos citaram roubo de documentos pessoais, em função do qual foram vítima de fraude de identidade – ou seja, seu nome foi utilizado para operações financeiras que depois não foram honradas.

Utilizar bem o crédito (mesmo que seja apenas utilizando corretamente o cartão de crédito pessoal) e abrir um cadastro positivo ajudam a melhorar o score pessoal.

 

Para resumir o tema, leve em consideração que as entidades de crédito analisam:

  1.     Informações financeiras como os pagamentos de contas em dia
  2.     Histórico de dívidas negativadas
  3.     A frequência de busca por crédito no mercado
  4.     Manutenção de dados cadastrais atualizados