Saiba como funcionam as principais linhas de crédito para PME no Brasil

Momentos de crise também trazem consigo oportunidades. Diante da perda de um vínculo empregatício formal, por exemplo, muitas pessoas têm partido para o empreendedorismo.

É assim que surgem as pequenas e médias empresas, as quais desempenham papel fundamental na economia do nosso país.

Você sabia que existem diversas linhas de crédito para PMEs?

Especialmente no atual contexto mercadológico, é inviável depender apenas de poucas grandes empresas para movimentar a economia e criar novos postos de trabalho. Aliás, o que temos observado são cortes de produção devido à baixa nas vendas.

Na verdade, é o crescimento das empresas menores que gera novas oportunidades de emprego, injetando dinheiro no mercado. Devido a seu importante papel, as PMEs recebem linhas de crédito específicas, favorecendo o seu desenvolvimento.

Quer entender como isso funciona? Continue lendo esse texto e confira as principais opções de crédito.

BNDES

Empresas que contam com faturamento anual inferior a R$ 300 milhões podem recorrer ao Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para obter crédito. Grosso modo, essa é uma linha desenvolvida para possibilitar o investimento em novos equipamentos.

Para solicitar tal benefício, basta ir até uma instituição cadastrada, como a Caixa Econômica Federal ou o Banco do Brasil. Sua principal vantagem são as taxas especiais oferecidas aos clientes dessa modalidade.

Há ainda o BNDES automático, que possibilita o financiamento de projetos no valor de até R$10 milhões. Nesse caso, a operação também é realizada a partir da rede credenciada, e pode ser usada para diferentes demandas.

FINEM

Outra opção oferecida pelo banco BNDES, o FINEM se diferenciar por destinar-se a negócios cujo valor é igual ou maior que R$20 milhões.

Seu principal foco são os investimentos em ativos fixos, comércio e prestação de serviços, além de melhorias como ampliações, modernizações e recuperações. A contratação, nesse caso, pode ser feita a partir do próprio BNDES ou por meio de instituições credenciadas.

FINAME

Eis aqui mais uma variação do BNDES, com o diferencial de atender à necessidade de investimentos em máquinas e equipamentos.

Essa é a única possibilidade de uso dos recursos obtidos a partir do programa, e tais produtos devem ser credenciados junto ao BNDES.

Para ter acesso a essa linha de crédito, também é necessário recorrer a uma instituição credenciada, como as que citamos acima.

BNDES Progeren

Trata-se de uma linha de crédito que se destina ao reforço do capital de giro da empresa, para financiar ciclos operacionais. Tal crédito pode ser usado para a compra de matérias-primas, pagamento de fornecedores e até para cobrir salários e tributos.

Os juros cobrados, nesse caso, são abaixo do mercado, e o pagamento pode ser parcelado em até 5 anos, com carência de 12 meses.

Ainda assim, é necessário consultar a tributação, pois esse é um item que pode variar de acordo com o porte do cliente em questão.

Além disso, é importante ter atenção redobrada nas amortizações. É comum que empresas percebam — tarde demais, muitas vezes — que as amortizações excederam o principal, sendo descontado, por conta disso, excessivo Imposto de Renda.

Projeto Travessia

Este é um crédito disponibilizado pelo governo com fundos obtidos a partir do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). Nesse caso, o dinheiro também se destina a incrementar o capital de giro. O valor máximo para a modalidade é de R$200 mil, e o pagamento pode ser feito em até 4 anos, com prazo de carência de 6 meses.

O projeto foi criado para atenuar os efeitos da crise econômica, já que visa prover às PMEs melhores condições para que cresçam no mercado e movimentem ainda mais a economia.

Segundo dados do SEBRAE, esse modelo responde por 27% do PIB (Produto Interno Bruto) de nosso país. Prova disso é que um dos pré-requisitos para ter acesso ao financiamento é o comprometimento em não demitir funcionários no prazo de até um ano após o recebimento do montante.

Cartão BNDES

Atualmente, PMEs já podem contar com um limite de R$1 milhão, disponibilizado em forma de crédito rotativo e pré-aprovado.

Algumas instituições bancárias — como Caixa Econômica Federal, Itaú e Banrisul — são autorizadas a emitir o cartão, que se destina à compra de produtos específicos listados no portal de operações do BNDES.

Quanto aos juros pagos sobre as operações, as taxas são determinadas a cada mês. Os prazos para amortização também são variáveis, já que são definidos pela instituição que realiza a emissão do documento.

Você escolhe quem vai emitir o seu cartão, e toda a análise de crédito se dá por meio desse agente, sem envolvimento direto do BNDES.

Adiantamento de recebíveis

A empresa ainda também pode obter crédito utilizando recursos próprios futuros, apenas os antecipando. Normalmente, PEMs necessitam de um fluxo de caixa mais equilibrado do que as grandes empresas. Nesse sentido, o dinheiro recebido em antecipação pode ser o responsável por proporcionar esse equilíbrio e abrir novas oportunidades.

Para realizar essa operação, é necessário recorrer a uma factoring, que é a empresa especializada nesse tipo de processo.

Funciona assim: a empresa cede uma duplicata a receber à factoring e recebe o seu valor imediatamente, arcando com o desconto de uma taxa de serviço.

É uma operação desburocratizada, com a qual o empresário recebe um valor que já lhe pertence, sem contrair dívidas que comprometeriam o capital dos próximos meses (ou até anos).

Enfim, como se pode ver, as linhas de crédito para PME contam com condições que permitem a essas empresas obter recursos para se fortalecer mercado. Trata-se de uma oportunidade de investir no desenvolvimento, sem deixar de lado a boa administração financeira!

Gostou deste artigo? Se ele foi útil para você, não deixe de nos seguir nas redes sociais! Estamos no FacebookLinkedIn e Twitter.