Fomentar para crescer

Antecipação de recebíveis, fomento comercial, desconto de duplicatas: nomes diferentes para uma forma menos custosa para estimular o crescimento de pequenas ou médias empresas.

Administrar uma empresa é uma arte. Ou, em outras palavras, é o ofício de gerir com maestria a oferta e a demanda, as despesas e as receitas. Nesse movimento contínuo, um dos aspectos financeiros que mais tiram o sono de gestores é o risco de, em algum momento, não dispor de dinheiro em caixa para pagar funcionários ou fornecedores.

O descasamento do prazo médio entre a data em que o dinheiro entra e sai é uma das maiores causas de falência. Muitas vezes, os gestores recorrem às linhas de crédito que têm em mãos, como cheque especial, cartão de crédito corporativo e empréstimos caros nos bancos em que já têm conta. Uma alternativa ainda pouco explorada no Brasil, embora muito popular em outros países, é a antecipação de recebíveis, também conhecida por seu nome em inglês: factoring.

O que é a antecipação de recebíveis? – Na prática, a antecipação de recebíveis é uma atividade de fomento comercial (ou fomento mercantil) em que a empresa vende seus direitos creditórios (portanto, futuros) em troca de recursos imediatos. Geralmente, esses direitos creditórios são títulos como duplicatas de venda a prazo, vendas parceladas no cartão de crédito ou cheques pré-datados.

A empresa que compra esses créditos, também chamada de factoring, deposita o dinheiro na conta da companhia vendedora com um pequeno desconto. Esta é uma espécie de juro, que serve para remunerar o serviço de antecipação do crédito.

Um exemplo: imagine uma fábrica de autopeças com um contrato fixo com uma montadora de automóveis. Para produzir as peças, ela precisa de dinheiro para matérias-primas, despesas administrativas e salários, certo? No entanto, ela só será paga pelo cliente depois que entregar as peças. Ou seja, ela coloca dinheiro na produção muito antes de receber por ela. Com o factoring, ela conseguirá ter o capital de giro do qual necessita para manter-se em plena operação.

Algumas empresas utilizam essa operação financeira pontualmente, enquanto outras o fazem com regularidade (todo mês, por exemplo). A antecipação não é gratuita, uma vez que o gestor paga por ela com parte de seu lucro; no entanto, já está claro que esse processo é muito mais barato e seguro do que um empréstimo bancário.

O que é desconto de duplicatas? – Uma das formas de realizar uma operação de factoring é através do desconto de duplicatas. A duplicata é um documento emitido pelo negócio (cedente) com o valor total da compra, a data de vencimento da fatura e o nome da empresa que receberá o montante (sacado). Funciona como um contrato de compra e venda que garante que a parte compradora vai pagar pelos produtos ou serviços acordados. Para realizar o desconto de suas duplicatas, a cedente as entrega a uma factoring, financeira ou banco, para que possa receber o valor correspondente em conta corrente (como já dito, após o desconto de uma taxa).

Operação antiga e renovada – Essa atividade nasceu há séculos – já na Idade Média os comerciantes e produtores rurais já se valiam do adiantamento de recebíveis para financiar suas atividades. No mundo, o mercado de antecipação de recebíveis gira em torno de 2,47 trilhões de euros (aproximadamente 11 trilhões de reais), segundo boletim da FCI, a associação global de empresas de adiantamento de recebíveis. O volume de 2017 foi 4% maior do que em 2016.

Na América do Sul, esse crescimento foi ainda maior: 9%, graças especialmente ao Brasil (alta de 115% no volume transacionado) e Argentina (alta de 21%). O FCI inclusive aponta essa região como uma das mais promissoras nesse segmento. No Brasil, a associação do setor, Anfac (Associação Nacional das Sociedades de Fomento Comercial), estima que o mercado nacional movimente em torno de 300 bilhões de reais em operações de antecipação de recebíveis.

A antecipação de recebíveis vale para você? – Qualquer empresa que tenha um descasamento de prazos médio de recebimento e pagamento pode contratar uma factoring para equilibrar suas contas. Quanto melhor for seu histórico contábil, mais chances ela terá de utilizar o serviço com baixas taxas. Afinal, o valor cobrado pela factoring está diretamente relacionado à “segurança” oferecida pela empresa solicitante e por seu ecossistema.

A primeira medida para você utilizar esse serviço é comparar as taxas oferecidas por cada empresa antes de contratar o serviço. Não há nenhuma dúvida de que é uma operação mais barata do que o empréstimo bancário ou o cheque especial, mas mesmo entre as próprias factorings há importantes diferenças no valor cobrado pelo serviço.

Empresas digitais como a WEEL por exemplo, podem cobrar menos do que aquelas que ainda precisam de muitos funcionários para operar. Muitas dessas fintechs atuam voltadas ao segmento de micro e pequenas empresas, as quais não conseguem ser atendidas pelo crédito bancário (seja por desinteresse das grandes instituições, seja pelos altos valores de juros cobrados).

Importante saber que, sim, bancos oferecem serviços de factoring, mas atuam de forma diferente da factoring. Além da questão de custos, a principal diferença é de onde vem o dinheiro. Os bancos se valem dos depósitos de correntistas, empresas e pessoas físicas, enquanto as factorings usam, para se financiar, recursos próprios e de investidores, ou ainda os chamados FIDCs (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios), também conhecidos como fundo de recebíveis.

Outra diferença é que as factorings não realizam empréstimos, uma vez que compram os direitos creditórios e se responsabilizam por receber depois. Já os bancos atuam em diversas frentes de financiamento, inclusive empréstimos. Nada impede, porém, que uma empresa tenha uma linha de crédito em um banco e contrate simultaneamente os serviços de uma factoring.

Impacto da tecnologia – O barateamento e a propagação de novas tecnologias permitiu que uma leva de fintechs (startups da área financeira) ofereçam serviços e produtos melhores, mais flexíveis e mais baratos que as instituições financeiras tradicionais. Isso é possível porque elas atuam, em sua maioria, no ambiente digital, o que diminui custos, agiliza os processos, garante segurança às operações e diminui a burocracia. A análise de risco de inadimplência também é feita de forma mais completa e personalizada do que nos competidores tradicionais.

No caso do mercado de empréstimos, sites como Biva, Nexoos, Lendico, Geru, Credisfera, Creditas e Rapidoo, que atuam como correspondentes bancários, emprestam dinheiro a empreendedores e consumidores com taxas mais atrativas que os bancos de varejo. No segmento de factorings, a WEEL tem feito um trabalho importante, com o desenvolvimento da primeira plataforma de Big Data que consegue calcular, em segundos, o risco da transação e oferecer taxas mais baixas para empresas que apresentam um histórico de boa gestão financeira.