Fluxo de caixa: o desafio em manter a organização financeira.

Fluxo de caixa: Um dos grandes desafios empresariais constatados nos dias de hoje é a organização financeira. Com os mais diversos prazos de contas a pagar e receber, é muito comum acontecer o que chamamos de descasamento de fluxo de caixa.

Para aumentar a assertividade na tomada de decisões, o empresário conta com um módulo de planejamento denominado gestão de fluxo de caixa. O principal objetivo da gestão de fluxo de caixa é garantir que sempre exista saldo disponível na empresa para arcar com os diversos custos operacionais que surgem no dia a dia.

Fluxo de caixa: como funciona?

Na teoria é simples: deve-se registrar todos os recebimentos e pagamentos empresariais. Todos os valores a receber versus valores a debitar.

Fluxo de caixa: como fazer?

Vamos verificar um passo a passo simples de como fazer a gestão de um fluxo de caixa:

1 – Inicie o processo criando uma planilha com duas colunas: “Contas a receber” e “Contas a pagar”.

2 – Em “Contas a receber” você deve sinalizar a base média diária de vendas realizadas. Considere também meses de maior movimento ou menor movimento. Seja muito conservador nestas estimativas, uma vez que despesas são bem fáceis de verificar, porém receitas nem tanto.

3 – Liste suas despesas e sinalize na coluna de “Contas a Pagar”. Impostos, contas fixas, folha de pagamento, etc. É necessário também conhecer a sazonalidade das contas, seus vencimentos para assim melhorar sua gestão. Veja abaixo um gráfico que pode lhe auxiliar:

Abaixo, vão algumas dicas do que você pode considerar como “Contas a Receber” e “Contas a Pagar”:

  • Contas a Receber:
    • Vendas à vista;
    • Vendas a prazo;
    • Cheques;
    • Duplicatas;
    • Cartões de crédito;
    • Rendimentos de aplicações entre outros recebimentos.
  • Contas a Pagar:
    • Fornecedores;
    • Despesas bancárias;
    • Salários e encargos de funcionários;
    • Comunicação – telefonia, internet, correios, etc;
    • Manutenções;
    • Equipamentos;
    • Taxas e impostos sobre veículos;
    • Taxas e impostos prediais;
    • Retirada pró-labore – salários dos sócios que trabalham na empresa;
    • Serviços de terceiros – contador, advocacia, etc;
    • Impostos e contribuições;
    • Materiais de escritório, copa, limpeza etc.

Fluxo de caixa: o que fazer em caso de superávit?

Após você organizar suas contas e recebíveis, supondo que você constatou uma situação de superávit, ou seja, seus recebimentos são maiores que seus gastos, o mais indicado é a utilização deste recurso em investimentos e aplicações.

Fluxo de caixa: o que fazer em caso de déficit?

Já em caso de déficit financeiro, a primeira providência a ser tomada é descobrir as causas: atraso no recebimento, alta taxa de inadimplência, queda repentina nas vendas, etc. Portanto, pode ser necessário rever as estratégias e ajustar o planejamento.

Outro passo importante a ser tomado é avaliar as alternativas. A antecipação de recebíveis pode ser considerada uma saída viável. Lembre-se que você deve verificar uma boa taxa e contar com um parceiro que traga agilidade e segurança ao seu fluxo de caixa. A WEEL antecipa seus recebíveis on-line, de forma rápida e segura. Clique aqui e experimente grátis.

 

Portanto, uma boa gestão de fluxo de caixa e sua análise constante permite traçar estratégias de crescimento e vencer os desafios em manter a organização financeira empresarial.

Quer saber mais sobre assuntos como estes? Acompanhe-nos nas redes sociais Facebook e Youtube.