Como conseguir crédito para PME e quais documentos apresentar?

Receber aprovação de crédito ou fomento comercial pode ser um desafio, em especial para as Pequenas e Médias Empresas (PMEs). Por vezes, o processo é burocrático, demorado e custoso, criando barreiras aos empresários e gestores. Em razão disso, saber como obtê-lo é essencial para reforçar o fluxo de caixa.

Mas, afinal, qual o melhor período para buscar recursos financeiros? Como a empresa deve se preparar e quais documentos são necessários? Primeiramente, é preciso lembrar que há outras opções além do empréstimo ou do financiamento. A antecipação de recebíveis, por exemplo, é uma solução estratégica que finalmente está ganhando merecido destaque no mercado brasileiro, por ser uma opção mais prática e mais barata.

Neste post, reunimos as principais informações sobre o assunto. Continue a leitura e esclareça suas dúvidas.

Como identificar a necessidade de uma “injeção” de recursos?

Identificar o melhor momento para isso requer conhecimento do negócio e do seu fluxo financeiro. Considerando a realidade atual da sua empresa, como um montante extra poderia ajudar?

Além de quitar débitos ou pagar fornecedores, você precisa pensar nessa questão de maneira mais estratégica para identificar oportunidades de crescimento.

Hoje, por exemplo, é possível fazer um empréstimo ou antecipar recebíveis como estratégia para renovar o estoque e negociar compras à vista com fornecedores, o que aumenta o poder de negociação entre vendedores e compradores, e ainda garante a aquisição de estoque com preço acessível.

Além disso, é importante ter em vista os atuais indicadores financeiros do negócio. O fluxo de caixa é regular? Há um grande número de fornecedores em atraso? É possível antecipar recebíveis? Essas e outras questões devem ser estudadas antes de você tomar uma decisão.

Quais os passos para solicitar crédito ou antecipar recebíveis?

Já identificada a necessidade de investir no negócio, é o momento de refletir acerca de como fazê-lo. Aqui, é preciso definir a melhor operação (como financiamento, consórcio ou antecipação), qual a instituição financeira mais competitiva, qual planejamento financeiro você irá seguir, entre outras questões. Para ajudar, listamos algumas dicas adiante.

Faça um bom planejamento financeiro

É preciso se planejar ao máximo. Obter recursos extras é bom, mas isso tem implicações no médio e longo prazo da empresa. Se for um empréstimo, por exemplo, ele precisará ser pago mês após mês — como isso se adaptará ao seu fluxo de caixa? Se for a antecipação de recebíveis, será cobrada uma taxa sobre o valor das duplicadas antecipadas. Se for financiamento, incidirão parcelas mensais. Há também outros tipos de operações disponíveis no mercado.

Identifique a melhor modalidade de operação

Além do empréstimo, financiamento e uso do cartão de crédito, hoje é possível fazer financiamento coletivo, buscar investidores ou antecipar recebíveis, para citar alguns exemplos.

A antecipação tem ganhado impulso nos últimos anos — e mesmo as grandes empresas já contam com essa estratégia. Com ela, é possível antecipar o que foi vendido a prazo e gerar capital no curto prazo, com taxas menores e com menos burocracia do que as exigidas em empréstimos bancários.

Avalie a melhor empresa de fomento

Definida a linha de crédito ou antecipação, é hora de buscar pelas empresas que podem ajudá-lo a crescer. Mais uma vez, é preciso uma pesquisa detalhada, com ênfase na atual conjuntura do negócio.

As melhores oportunidades têm sido as oferecidas pelas fintechs (empresas de tecnologia financeira).

Identifique e analise possíveis fatores de restrição

Agora que você já sabe que de fato precisa de recursos extras, qual a melhor modalidade e instituição para seu negócio? Avalie, também, os fatores que podem restringir essa iniciativa. Cada empresa tem uma política distinta para autorização a operação; você precisará analisar qual a mais adequada à sua organização.

Plano de negócio, indicadores financeiros, demonstrativo dos resultados — as exigências variam muito.

Separe as certidões e documentos necessários

Você precisará apresentar uma série de documentos. A lista completa é definida pela a empresa com a qual você negociará. De todo modo, entre os documentos mais comuns estão (vale ressaltar que, na antecipação de recebíveis, muitos deles não são solicitados, o que facilita o processo):

Tendo-os em mãos, a empresa realizará uma análise minuciosa para a concessão, avaliando se o negócio e seus donos terão condições de honrar o compromisso.

Por que a antecipação é a melhor opção do momento?

Como vimos, a antecipação de recebíveis ganha destaque em relação a operações de crédito. Existem bons motivos para isso, entre eles a rapidez (muitas fintechs operam de forma totalmente digital, ou seja, não exigem leva-e-traz de documentos), a comodidade, a flexibilidade e a segurança na operação.

Nessa modalidade, também não há cobrança de juros. Todavia, é preciso recordar que a taxa cobrada pela operação reduz o lucro da empresa. Não se esqueça de levar isso em consideração no seu planejamento.

Outro benefício é o prazo para liberação dos recursos. Empréstimos e financiamentos podem demorar dias ou até semanas para aprovação. No caso da antecipação, o valor pode ser liberado no mesmo dia da solicitação. Desse modo, você poderá contar com o capital rapidamente e aplicá-lo para o crescimento da empresa.

Em resumo: comece sua “jornada” avaliando se realmente existe a necessidade de buscar recursos externos, depois identifique as melhores modalidades e instituições que podem ajudar. A lista de documentos pode variar muito, mas em geral giram em torno dos que foram citados nesse texto. Além disso, reflita sobre as vantagens da antecipação.

Em tempo, é importante citar que, além de buscar ajuda externa, é importante você conhecer outros fatores capazes de melhorar o desempenho econômico do seu negócio. Leia nosso post e conheça os mitos sobre esse assunto.