Aprenda a calcular o lucro com a antecipação

O assunto pode parecer básico demais para você – afinal, todo gestor financeiro aprende, na primeira aula da faculdade, a calcular margem de lucro. Queremos, no entanto, aprofundar seu conhecimento passando novamente por cada conceito, até chegar no cálculo da operação de antecipação de recebíveis. Dessa forma, você concluirá sozinho da próxima vez se vale a pena ou não antecipar um de seus recebíveis.

Começando do começo…

Quais os tipos de lucro existentes?

Você já sabe que não basta somar todas as despesas e subtraí-las do montante das receitas para chegar à margem de lucro. Para entender o quanto a empresa realmente “ganhou” no mês, você precisará de cálculos mais complexos.

No atual mercado, existem três tipos principais de lucros: bruto, operacional e líquido.

Lucro bruto: imagine que você investiu determinado valor para fabricar um produto. O lucro bruto pode ser definido como a diferença entre a quantia desembolsada e o preço de venda do item. Esse cálculo é feito antes da inclusão de impostos, folha de pagamento e possíveis juros resultantes de operações intermediárias. A fórmula de cálculo é simples:

lucro bruto = receitas totais – custos variáveis

Lucro operacional: enquanto o lucro bruto leva em conta apenas a produção, o lucro operacional é calculado considerando a operação do negócio subtraído das despesas administrativas, comerciais e operacionais. As movimentações financeiras não estão inclusas nesse caso, uma vez que esse cálculo só é possível após se conhecer o valor do lucro bruto.

A Demonstração dos Resultados do Exercício (DRE), uma espécie de síntese contábil e financeira obtida durante um período (um ano, normalmente), considera o lucro operacional como um dos indicadores necessários a uma mensuração mais precisa dos resultados.

Seu cálculo é feito da seguinte forma:

lucro operacional = lucro bruto – despesas administrativas + receitas administrativas

Lucro líquido: diferentemente do lucro bruto, o líquido considera, além dos custos variáveis, outros gastos que possam ser definidos (como os fixos). O salário dos funcionários, por exemplo, não varia de acordo com a produção e será considerado. O mesmo vale para impostos e demais despesas mensais da empresa.

Conhecê-los, no entanto, depende do conhecimento detalhado das quantias investidas e obtidas em termos gerais — e não somente aquelas que se relacionam à produção. Ao calculá-lo, também utilizamos uma fórmula pronta:

lucro líquido = receitas totais – custos totais

Por fim, como você calculará o lucro sobre a antecipação de recebíveis?

Na antecipação de recebíveis, os valores já devidos ao negócio (vendas ou serviços já realizados) é que são antecipados. Com essa modalidade, valores de duplicatas ou cheques pré-datados (factorings tradicionais fazem esse serviço) têm seus pagamentos disponibilizados imediatamente, sem que seja necessário aguardar os vencimentos. Entretanto, a partir do momento em que você cede um desses títulos a uma instituição financeira que vai antecipar o valor, uma taxa operacional é descontada.

Isso não significa um aumento nas despesas, mas significa que o valor dessa taxa reduzirá sua margem de lucro naquela venda específica. Assim, você precisa, antes de mais nada, conhecer o valor do produto que foi negociado. O cálculo é feito assim:

custo + lucro + despesas variáveis

Ou seja, tais custos englobam não só a compra de matéria-prima, mas também as contas de água e energia elétrica, além do salário dos funcionários. Determinado um valor – importante que seja condizente com o mercado – que cubra despesas e traga lucro, você deve checar se poderá incluir uma margem para que o produto seja vendido à prazo. Nessa hora, você poderá calcular o lucro obtido caso realize a antecipação de recebíveis. Afinal, em um caso ideal, as taxas cobradas por esse serviço não devem, idealmente, “devorar” seu ganho. Se isso acontecer, você precisa rever sua estratégia, que provavelmente será a de incluir essa margem na formação de preço de seu produto. Também o número de parcelas disponibilizadas para pagamento ao cliente precisa ser levado em conta, uma vez que o prazo de vencimento do boleto influencia a taxa cobrada no ato da antecipação.

Importante ressaltar: todas essas regras não valem quando, por exemplo, você usa a antecipação para obter recursos imediatos em função de emergências (mesmo assim, o que você dispenderá na antecipação é muito menos do que em um empréstimo bancário, por exemplo).

Em resumo, é por tudo isso que costumamos dizer que o cálculo do lucro sobre a antecipação de recebíveis envolve planejamento. Como se pode ver, quanto mais você planejar, mais benéfica será essa prática para sua empresa.

Gostou deste post? Para continuar sua educação financeira, leia agora o post que explicará com detalhes como funciona a antecipação de recebíveis?